NOSSA HISTÓRIA

Nós, sócios fundadores da TRIBO DO SALTO, ingressamos no negócio de calçados femininos há mais de 25 anos. Inicialmente, exercemos a atividade de representante comercial de algumas fábricas de pequeno e médio porte instaladas no polo calçadista da cidade de Franca, interior do estado de São Paulo. No início, nossa área de atuação compreendia somente o estado de São Paulo. Depois, expandimos para as regiões sul, sudeste e parte do nordeste do Brasil. Nesse período, aprendemos muito sobre o produto, conhecemos vários mercados e suas respectivas características.

Á época, embora representássemos boas empresas, percebíamos em contato com lojistas e distribuidores disposição de comercializar produtos inovadores, modernos, que apresentassem maior conforto, mais qualidade e boa relação entre custo e benefício. Já havíamos adquirido experiência necessária para empreender e enxergamos ali a oportunidade de iniciar outro negócio: uma pequena fábrica de calçados femininos que oferecesse uma linha de produtos complementares àqueles que compunham as coleções das fábricas que representávamos.

Assim, em 1996, constituímos a TRIBO DO SALTO, instalada em um pequeno galpão industrial na cidade de Guará, interior do estado de São Paulo. Nesse mesmo período, além da representação comercial e da pequena fábrica de calçados, também vivenciamos rapidamente a experiência de trabalhar no comércio varejista como proprietários de lojas de calçados, no interior do estado de São Paulo.

As três experiências em áreas distintas no setor de calçados – representação comercial, loja varejo e a pequena fábrica -, foram suficientemente esclarecedoras para revelar nossa paixão e vocação maior: fabricar calçados femininos. Assim, em 2004, descontinuamos a representação comercial, vendemos as lojas de calçados e nos dedicamos integral e exclusivamente à fabricação de calçados. Desde então, construímos a sede própria, expandimos as instalações da empresa, adquirimos máquinas e equipamentos modernos e crescemos significativamente.

Ao longo desses anos já fabricamos alguns milhões de pares de calçados, mas, francamente, ainda mantemos até hoje o mesmo entusiasmo que sentimos quando produzimos o primeiro par de sapatos.